Artes E Vida

One in a Million: Guns N ’Roses corta música' racista 'do relançamento do álbum

Letras polêmicas para a faixa de 1988 despejando vitríolo em ‘n ***** s’, imigrantes e ‘f **** ts’

Axl Rose

O Guns N ’Roses cortou uma canção criticada como racista e homofóbica de uma reedição de seu álbum de estreia de 1987, Appetite for Destruction.

Considerado um momento seminal para o gênero hard rock, Appetite for Destruction é um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos, tendo vendido 30 milhões de cópias em todo o mundo. O relançamento contará com dezenas de faixas bônus, incluindo o EP seguinte da banda, G N 'R Lies de 1988.

No entanto, o número final do EP, One in a Million, não estará entre eles. Embora nenhuma razão tenha sido divulgada para a omissão, a música foi extremamente polêmica e condenada por muitos após o seu lançamento, diz Forquilha , devido a letras contendo calúnias racistas e homofóbicas.



A música, escrita pelo vocalista Axl Rose, diz à polícia e aos soldados para sair do meu caminho, descrevendo o cantor como um garoto branco de uma pequena cidade / Apenas tentando fazer o que quer que seja.

Outro verso rende: Imigrantes e f ***** s / Eles não fazem sentido para mim / Eles vêm para o nosso país / E acham que farão o que quiserem / Tipo começar um mini Irã / Ou espalhar alguma maldita doença.

Rose abordou a controvérsia em várias ocasiões nos anos após o lançamento do EP, defendendo sua linguagem como um reflexo de suas experiências de mudança da pequena cidade de Indiana para Los Angeles.

Se você não esteve lá, você não pode me dizer merda sobre o que está acontecendo e sobre o meu ponto de vista, ele disse Pedra rolando em 1989.

Tive experiências muito ruins com homossexuais, disse ele, antes de descrever ter sido vítima de uma tentativa de estupro na adolescência.

Com relação ao uso da palavra n ***** s, ele contou a mesma revista em 1992: Eu estava chateado com alguns negros que estavam tentando me roubar. Eu queria insultar aqueles negros em particular. Eu não queria apoiar o racismo.