Notícias

O 'escândalo de Ibiza' na Áustria, explicado

Operação Sting no líder de extrema direita deixa os sonhos da coalizão do chanceler Sebastian Kurz em frangalhos

wd-seb_kurz _-_ michael_grubergetty_images.jpg

O chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, anuncia eleição antecipada

Michael Gruber / Getty Images

Uma operação violenta que já levou à renúncia do vice-chanceler de extrema direita da Áustria e ao colapso da coalizão governante poderia ter consequências ainda maiores para a União Europeia, alertaram os comentaristas.



Basta, disse o chanceler da nação, Sebastian Kurz, ao anunciar que seu partido de centro-direita do Povo Austríaco (ÖVP) estava abandonando sua coalizão com o grupo nacionalista e convocou eleições antecipadas, que devem ocorrer em setembro.

Quem estava envolvido na picada?

Na sexta-feira à noite, um vídeo enviado a jornalistas dos jornais alemães Der Spiegel e Süddeutsche Zeitung vazou para o público. A filmagem mostrou Heinz-Christian Strache, vice-chanceler austríaco e líder do partido de extrema direita Freedom (FPÖ), tentando negociar contratos públicos por doações partidárias de uma mulher que ele acreditava ser a sobrinha rica de um oligarca russo.

Eles também discutiram a idéia de assumir o jornal mais vendido da Áustria para transformá-lo em um órgão de propaganda do partido. Na filmagem, a mulher se oferece para comprar uma participação de 50% no Kronen Zeitung e mudar sua posição editorial para apoiar o Partido da Liberdade. Em troca, Strache disse que poderia conceder contratos públicos a ela, explicando que queria construir um cenário de mídia como [Victor] Orban, uma referência ao autoritário primeiro-ministro da Hungria.

A BBC relatos não se sabe quem gravou o vídeo, e também não está claro quem armou a reunião, que teria ocorrido em uma villa na ilha espanhola de Ibiza em julho de 2017 - antes de o FPÖ ingressar no novo governo.

O que aconteceu no fim de semana?

O chamado ‘escândalo de Ibiza’ teve um impacto dramático e imediato.

Strache e seu líder parlamentar, Johann Gudenus, renunciaram no sábado, dizendo que seu comportamento foi estúpido, irresponsável e um erro.

Em uma breve declaração à imprensa anunciando as eleições antecipadas, o chanceler Kurz descreveu os muitos desafios que enfrentou nos últimos meses ao lidar com o Partido da Liberdade de Strache, que, apesar de seu alinhamento com o Partido Popular de centro-direita do chanceler em questões políticas, continuou sendo um para-raios por críticas com seus comentários racistas e outras controvérsias, diz Político .

Da publicação ao colapso do governo levou apenas 26 horas, diz o Financial Times .

Qual será o impacto mais amplo?

Politico diz que chegando poucos dias antes da eleição do Parlamento Europeu na próxima semana, o episódio abalou o cenário político na Áustria e na Europa, onde a coalizão não tradicional da nação alpina foi vista como um experimento no viabilidade de alianças que unem partidos tradicionais com populistas .

Foi uma aposta celebrada tanto por moderados quanto por linha-dura de direita em toda a Europa como um modelo: um projeto para conter a raiva populista, ou então um roteiro para a reformulação da agenda política liberal da UE, diz o FT. Agora, com apenas alguns dias até as eleições parlamentares da UE, o modelo austríaco está em frangalhos.

Os líderes centristas de toda a Europa esperam que as consequências do 'escândalo de Ibiza' sejam sentidas fora da Áustria, nas eleições para o parlamento europeu nesta semana, nas quais os partidos populistas, nacionalistas e de extrema direita deverão ter ganhos, escreve Philip Oltermann em The Guardian .

A aparente ânsia de Strache de abraçar a corrupção contrasta fortemente com a retórica de 'drenar o pântano' que os populistas usam rotineiramente em suas tentativas de retratar a política como uma batalha de pessoas comuns decentes contra uma elite venal, acrescenta.

A Áustria está no centro de uma batalha de ideias entre democratas ocidentais liberais e forças populistas aliadas do [presidente russo, Vladimir] Putin, diz O jornal New York Times .

Os serviços de inteligência estrangeiros já pararam de compartilhar informações confidenciais com a Áustria por temer que vazem para Moscou e, apesar das negações do Kremlin, o jornal diz que o vídeo levantou questões sobre se a Rússia tinha influência direta dentro de um governo no coração da Europa.