Notícias

É seguro viajar para o Egito?

Reino Unido suspende a proibição de quatro anos de voos diretos para Sharm el Sheikh

Gettyimages-925292692.jpg

Grande Pirâmide de Gizé, Cairo

O governo do Reino Unido suspendeu a proibição de voos diretos para o resort egípcio de Sharm el Sheikh, quatro anos depois que a rota foi fechada por razões de segurança.

Em outubro de 2015, um Airbus A321 operado pela companhia aérea russa Kogalymavia foi derrubado por uma bomba logo após decolar do aeroporto de Sharm el Sheikh, matando todas as 224 pessoas a bordo e gerando grandes preocupações sobre a eficácia do aparato de segurança do Egito.



O Departamento de Transporte do Reino Unido implementou uma proibição após o bombardeio, entrando em vigor no início de novembro de 2015, no início de uma temporada de inverno que esperava ver 500.000 turistas britânicos em uma série de resorts no flanco sudeste da península do Sinai, O Independente relatórios. As estatísticas mostram que, desde a proibição, o Egito perdeu cerca de dois milhões de visitas de turistas do Reino Unido.

O departamento disse que as melhorias nos procedimentos de segurança no aeroporto e a estreita cooperação entre o Reino Unido e o Egito significam que as companhias aéreas comerciais podem operar novamente as rotas de e para o popular destino de férias. Notícias da Sky relatórios. O secretário de transportes, Grant Shapps, disse que suspender a restrição é o primeiro passo para retomar os voos diretos.

A segurança dos cidadãos britânicos continua sendo nossa principal prioridade e esta decisão segue uma estreita cooperação entre nossos especialistas em segurança da aviação e seus colegas egípcios, e melhorias nos procedimentos de segurança no aeroporto, acrescentou.

A organização de turismo Abta disse que a decisão de suspender as restrições aos voos é uma notícia bem-vinda para a indústria, enquanto a Tui confirmou que vai retomar as vendas de feriados para o resort e a EasyJet disse que vai olhar para quaisquer oportunidades em relação às notícias.

As restrições às viagens aéreas implementadas pelo governo do Reino Unido nos últimos anos têm sido uma fonte de tensão entre Londres e Cairo, este último acreditando que as proibições prejudicaram gravemente a já difícil indústria do turismo.

O setor de turismo do Egito está em um momento crítico, já que os resorts tentam reconquistar os visitantes afastados por temores de agitação civil, intolerância religiosa e terrorismo.

–––––––––––––––––––––––––––––––– Para um resumo das histórias mais importantes de todo o mundo - e uma visão concisa, revigorante e equilibrada da agenda de notícias da semana - experimente a revista The Week. Consiga seu primeiras seis edições grátis ––––––––––––––––––––––––––––––––

Em 2010, o setor prosperava, com cerca de 14,7 milhões de turistas estrangeiros visitando o Egito. Mas a turbulência que se seguiu à Primavera Árabe e a derrubada do ditador Hosni Mubarak viu esse número despencar para apenas 5,4 milhões em 2016.

A situação começou a melhorar em 2017, com os turistas recorrendo ao Egito como alternativa mais barata aos destinos de férias organizadas como Espanha, Itália e Grécia. Mas, quando as coisas estavam melhorando, a reputação dos principais resorts egípcios foi atingida por relatos de estrangeiros morrendo em consequência de intoxicação alimentar, ataques de tubarão e até assassinato no verão de 2018.

No início deste ano, grupo de direitos humanos Anistia Internacional divulgou um relatório que disse que o Egito está mais perigoso do que nunca, após uma repressão policial brutal contra o terrorismo e a dissidência.

Com a ameaça do terrorismo e a imprevisibilidade de um regime autoritário, uma viagem a um dos balneários do Egito é segura?

Terrorismo

O Reino Unido Foreign and Commonwealth Office (FCO) diz que é muito provável que os terroristas tentem realizar ataques no Egito e que os visitantes devem estar vigilantes em todos os momentos e seguir os conselhos das autoridades egípcias.

A nação problemática sofreu várias atrocidades terroristas nos últimos cinco anos, incluindo ataques contra o governo e as forças de segurança, e em transportes públicos, locais turísticos e aviação civil.

Na violência mais recente, sete policiais egípcios foram mortos por combatentes do Estado Islâmico no Sinai do Norte em junho. Quatro militantes, incluindo um homem-bomba, também morreram em confrontos após o ataque.

No entanto, as tendências recentes sugerem que a gravidade da ameaça de grupos terroristas no Egito flutua dramaticamente de região para região.

O Sinai do Norte é há muito um reduto de grupos armados e as autoridades egípcias lançaram uma ofensiva contra eles no ano passado, relata Al Jazeera .

O FCO desaconselha todas as viagens, exceto viagens essenciais para o deserto do Saara, a oeste do Nilo, citando a falta de segurança, e tanto das autoridades do Reino Unido quanto dos Estados Unidos Departamento de Estado (DOS) desaconselha fortemente todas as viagens para a metade norte da Península do Sinai, a leste do Cairo.

Não há recomendação do FCO contra viagens ao Cairo, Alexandria, às áreas turísticas ao longo do Nilo e aos resorts do Mar Vermelho de Sharm el Sheikh e Hurghada.

A seção do país entre o Nilo e o Mar Vermelho também é considerada quase segura. No entanto, os visitantes que viajam nas estradas desta região devem ser parados com frequência em postos de controle militares, onde podem ser questionados por oficiais.

A razão disso é a presença do Daesh-Sinai, afiliado do Estado Islâmico, um grupo terrorista que tem repetidamente alvejado civis na região.

Segurança

O DOS relata que os níveis de pequenos crimes no Cairo e Alexandria são moderados, com baixo risco no resto do país, onde viajar é considerado seguro. O departamento dos EUA observa que um dos problemas mais comuns enfrentados pelos turistas vem de vendedores agressivos em lojas em áreas urbanas, que oferecem brindes, mas passam a exigir dinheiro.

Enquanto isso, o FCO alerta que, nos últimos anos, expatriados britânicos às vezes sofreram assaltos à mão armada, assaltos (inclusive em táxis), agressões sexuais, estupros, arrombamentos de acomodações e carros. Em 2017, a Embaixada Britânica no Cairo recebeu oito denúncias de estupro e agressão sexual contra cidadãos do Reino Unido no país.

Se você estiver viajando em um microônibus, evite ser o último passageiro restante no ônibus, diz o departamento. Tome cuidado extra ao viajar sozinho, especialmente em táxis e microônibus.

Além disso, o DOS enfatiza que os turistas devem ficar bem longe das fronteiras do Egito com as nações vizinhas, visto que são fortemente militarizados e estritamente proibidos para o pessoal não militar. Também é ilegal fotografar delegacias de polícia, quartéis militares e outros edifícios públicos sensíveis.

Saúde

Ao se hospedar nas regiões mais turísticas do Egito, os problemas de saúde são de longe a maior ameaça à segurança de qualquer visitante.

Infelizmente, os resorts do Egito ao longo da costa do Mar Vermelho tornaram-se notoriamente associados à intoxicação alimentar, o Expresso Diário relatórios. Em agosto, os britânicos John e Susan Cooper morreu depois de supostamente ter sido exposto à bactéria E. coli em sua comida em um hotel em Hurghada.

O DOS recomenda que, ao selecionar um restaurante, o turista opte por um local limpo e de boa reputação, e coma apenas alimentos cozidos e preparados na hora, evite todos os alimentos crus, inclusive frutas e vegetais crus. Também houve relatos de médicos em hotéis cobrando caro pelo tratamento, então os viajantes são aconselhados a verificar suas contas com cuidado.

Ataques de tubarão , embora muito raros, também ceifaram vidas na costa do Mar Vermelho. Desde o início dos registros, 19 ataques de tubarão foram registrados no Egito. Em agosto deste ano, um homem tcheco foi morto por um tubarão em Marsa Alam, no primeiro incidente desse tipo no país desde 2015.

Uma bandeira vermelha serve como um aviso de avistamentos de tubarões na costa do Mar Vermelho, um sinal para os turistas ficarem fora da água.

Outro risco potencial é o clima. De abril a outubro, o Egito experimenta altas temperaturas e baixa umidade. No Vale dos Reis e na cidade vizinha de Luxor - uma das cidades mais visitadas do país - a temperatura média diária de pico de junho a agosto é de 40 ° C a 42 ° C, e chega a atingir os 50 ° C. Como tal, precauções como filtro solar com alto fator de proteção e bastante água são imprescindíveis.

É seguro visitar o Egito?

Sim, mas apenas com a devida diligência.

Além de evitar áreas de alto risco definidas pelo FCO ou DOS, os visitantes devem tomar precauções contra condições climáticas extremas, verificar todos os alimentos antes de comê-los e permanecer fora das águas onde tubarões foram avistados. O Foreign Office observa que cerca de 319.000 cidadãos britânicos visitaram o Egito em 2017 e a maioria das visitas é sem problemas.